Redes para gamers Discord e Twitch ganham nova audiência – contamos por que a sua marca deveria conhecê-las

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Ao falarmos da transformação digital pela qual os negócios e o consumo vêm passando nos últimos anos – em um processo amplamente acelerado pela pandemia iniciada em 2020 –, é comum pensarmos apenas em novas plataformas e soluções inovadoras. De fato, quando se trata de tecnologia, não é exagero dizer que há novidades todos os dias.

Mas as mudanças de hábitos ocorridas no último ano não deram força apenas a produtos e serviços inéditos. Elas também levaram muitos de nós a olharmos de maneira diferente para ferramentas que já estavam disponíveis em nosso dia a dia – adotando completamente algumas delas em nossas rotinas.

Sem o cinema e com mais tempo em casa, por exemplo, aumentaram os gastos com serviços de streaming como Netflix, Globoplay e Amazon Prime Video. De acordo com a consultoria PwC, o crescimento na demanda por eles foi de 27% em 2020.

Sem poder ir às lojas para fazer suas compras da maneira habitual, os consumidores recorreram ao comércio eletrônico. E ele faturou 74% a mais no ano passado, segundo dados do índice MCC-ENET, desenvolvido pelo Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital.

E, é claro, sem o encontro com os amigos, colegas de trabalho e familiares, passamos a procurar novas maneiras de nos mantermos próximos de quem conhecemos e trocar ideias com pessoas com interesses em comum.

Por isso, não surpreende que algumas redes sociais tenham observado um crescimento além do esperado no número de usuários durante esse período. Duas em particular, cuja proposta mescla a troca de ideias com a transmissão ou produção de conteúdo ao vivo, vêm se destacando e chamando a atenção de usuários e marcas: Twitch e Discord. Já bastante populares entre o público gamer, elas partiram em busca de audiência mais diversificada – e vêm obtendo resultados bastante positivos.

Mas o que elas têm de diferente, e porque sua marca deveria ficar de olho nisso? A seguir, nós contamos tudo o que você precisa saber sobre cada uma delas. Siga com a gente!

Discord

O site surgiu em 2015 como um espaço de discussão para fãs de jogos eletrônicos, com suporte para bate-papo por voz e mensagens instantâneas por texto, e desenvolveu canais ideais para que o público converse enquanto joga.
Um dos principais atrativos da plataforma é o fato de que cada usuário pode criar, em poucos segundos, um servidor próprio – como são chamadas as comunidades dessa rede. A partir daí, é possível convidar amigos ou criar um grupo público, no qual qualquer pessoa pode entrar. Cada servidor, por sua vez, pode ser dividido em canais com assuntos específicos.

Em dezembro de 2020, o Discord chegou a 140 milhões de usuários ativos/mês, o dobro do registrado no ano anterior. Trata-se de um público potencial enorme, com servidores destinados a auxiliar estudantes com lições de casa, desenvolvedores de apps, linguistas, fãs de séries, bem como comunidades inteiras voltadas ao debate de produtos de determinadas marcas.

Por exemplo, a companhia de tecnologia Nvidia, famosa por desenvolver placas de vídeo para computador, tem um servidor no qual os participantes podem entrar em tópicos como compras recentes, equipamentos favoritos, games que estão jogando etc.

O executivo-chefe do Discord, Jason Citron, descreve o serviço como uma “terceira via digital”: se o escritório funciona no email e a casa no Facebook ou no Instagram, então o Discord é um clube, um bar. É o lugar para onde você vai entre um e outro, com a sua turma.

Mas como se aproximar desse universo, ou até mesmo criar presença de maneira relevante? Primeiro, analise se o seu público tem o perfil da plataforma, e faça uma “visita de reconhecimento”, para entender qual universo é esse. Tanto na versão app quanto no desktop, a rede oferece muitos recursos.

Do que você precisa saber:

  • O Discord não funciona com base em algoritmos e não tem exibição de publicidade paga. Os conteúdos se apresentam na tela dos usuários de forma orgânica.
  • A estratégia aqui é passar longe de uma mensagem comercial tradicional, e agregar o público em volta daquilo que só você oferece. A plataforma permite criar convites para comunidades fechadas, onde só convidados entram. Uma ideia, portanto, é oferecer um senso de exclusividade por meio delas.
  • A rede é ótima, por exemplo, para criar um canal direto de comunicação com os seus consumidores. Além de responder dúvidas ou receber críticas e elogios, é possível promover o engajamento deles com a sua marca ao estimular debates sobre como eles utilizam seus produtos e serviços.
  • Aproveite também para oferecer descontos e promoções em servidores que mencionam a sua empresa, como forma de promover ainda mais aquilo que está vendendo e atrair novos clientes.
  • A Microsoft é uma das interessadas em adquirir a rede, avaliada em mais de US$ 10 bilhões (R$ 54 bilhões).

 

Twitch

Se grandes redes de TV, como a ESPN, e times populares como Flamengo e Corinthians hoje investem na transmissão de jogos eletrônicos competitivos (os chamados e-sports), é bem provável que a Twitch tenha algo a ver com isso. A plataforma foi uma das responsáveis por popularizar a prática de acompanhar games em tempo real, como se estivéssemos assistindo a uma partida de futebol ou basquete na TV.

Ela vem ganhando cada vez mais adeptos desde 2014, quando se tornou propriedade da Amazon. Hoje, é responsável por 91% de todo a transmissão de conteúdo neste segmento, de acordo com um relatório da Stream Hatchet, empresa especializada em dados do setor. Além disso, a rede deteve 64% da audiência de quem assiste a essas partidas online – superando, e muito, seus principais concorrentes, YouTube e Facebook.

E, em 2020, a plataforma passou a investir na expansão de suas atividades para além da transmissão de jogos. Aulas online, gravação de podcasts, programas sobre Big Brother Brasil e novidades da TV, e até grupos de leitura e discussão de livros passaram a pipocar na rede.

No período, o segmento de música dentro da Twitch cresceu 421% em audiência, atingindo 24 milhões de horas assistidas na plataforma. Já a popular categoria Just Chatting (apenas conversando, na tradução para o português) triplicou em número de horas, chegando a 248 milhões em janeiro deste ano.

Do que você precisa saber:

  • Atualmente, a audiência do Twitch é majoritariamente jovem: de acordo com dados da plataforma, 73% dos usuários têm 34 anos ou menos – 41% têm entre 16 e 24 anos. A média é de 30 milhões de visitantes diários, com mais de 7 milhões de criadores transmitindo ao vivo mensalmente – e mais de 2 bilhões de horas assistidas.
  • Em relação ao Discord, a Twitch oferece um ambiente mais amigável ao marketing digital, que pode ir além da divulgação orgânica. Em entrevista em dezembro de 2020 ao portal Meio e Mensagem, o diretor de Vendas para o Brasil, Philip Chaves, explicou que “existem algumas maneiras diferentes pelas quais um cliente pode promover uma marca na Twitch”.
  • Uma das alternativas é o ROS (run of site): clientes com orçamento fixo, parâmetros de segmentação e tempo de campanha podem utilizar anúncios estáticos ou em vídeo, executados com base em suas preferências. A plataforma também possui uma equipe criativa preparada para se juntar às marcas na criação de projetos de publicidade customizados.
  • É possível também fazer marketing de influência dentro do Twitch, por meio de parcerias com streamers (como são conhecidos os usuários responsáveis pelas transmissões na rede) famosos. Nike e Adidas, por exemplo, já se valeram desse modelo para lançar produtos com tiragens limitadas na plataforma.
  • A rede de lanchonetes Wendy’s, que atualmente é a segunda maior dos Estados Unidos, atrás somente do McDonald’s, criou uma campanha no Twitch com o game Animal Crossing, da Nintendo. Clipes de trechos do jogo e transmissões ao vivo tinham um link para que os clientes comprassem suas refeições, com direito a entregas gratuitas. Você já viu algo parecido por aqui. O perfil tem 114,9 mil inscritos.

 

Se você acha que os clientes que sua marca deseja atrair estão nestes canais, pode ser a hora de incluí-las na sua estratégia de marketing. E, se a ideia te interessa, mas ainda restam dúvidas, a Jahe Marketing pode ajudar! Fale com a gente.

E, se gostou deste conteúdo, compartilhe-o com seus contatos e se inscreva na nossa newsletter!

Mais posts para você

×