PIX: seis passos para entender a funcionalidade que pode revolucionar o seu e-commerce

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Depois de meses de espera e duas semanas de testes, o PIX, novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central, começou a funcionar oficialmente no dia 16 de novembro.

Até aqui, mais de 36 milhões de usuários já se registraram para utilizar a ferramenta, entre eles 34,5 milhões de pessoas físicas e 2,2 milhões de pessoas jurídicas.

A funcionalidade, que vai agilizar pagamentos e transferências, tem o potencial de revolucionar as vendas online de pequenas e médias empresas, contribuindo para um melhor fluxo de caixa, tornando entregas mais rápidas e – importantíssimo! – deixando consumidores mais satisfeitos.

A novidade chega em um momento de foco no e-commerce, que ganhou tração durante a pandemia do novo coronavírus. A Neotrust/Compre&Confie estima que as restrições às lojas físicas farão o comércio eletrônico fechar o ano com crescimento de 70%.

Para ajudar você a entender como o PIX pode impactar seus negócios e como se preparar para utilizar a nova tecnologia, listamos seis informações preciosas sobre ela.

Continue lendo para saber mais sobre a inovação!

 

O que é o PIX?
O PIX é um sistema de pagamentos instantâneos, criado pelo Banco Central. Como ele, é possível transferir recursos entre cotas em poucos segundos e a qualquer hora do dia. O meio também funciona durante toda a semana – incluindo fins de semana e feriados.

Em comparação com as transferências bancárias tradicionais, como TED e DOC, o PIX oferece mais agilidade, já que o dinheiro cai imediatamente, e requer menos dados – não é preciso nem saber em que banco a outra pessoa tem conta.

As transações podem ser entre pessoas físicas, entre clientes e empresas, entre empresas e também em operações envolvendo o governo. Isso significa que é possível receber de clientes, pagar fornecedores e quitar impostos, por exemplo, tudo num lugar só!

 

Como o PIX pode impactar meu negócio?
A primeira vantagem óbvia da funcionalidade é operar sem pausa. Assim como a sua loja virtual, que está disponível aos consumidores o tempo todo, o meio de pagamento pode ser usado a qualquer momento – imagine receber instantaneamente por uma compra feita às 3h da manhã, enquanto você dorme. Parece bom, não é?

Essa disponibilidade permite que as pequenas e médias empresas agilizem todo o seu processo de venda e entrega de produtos. O consumidor compra, o pagamento é identificado na hora, e já é possível, então, iniciar a produção, a embalagem e/ou o envio do produto. E entrega mais rápida significa cliente mais feliz e satisfeito.

Além disso, pagamento instantâneo e agilidade no recebimento podem ser ótimos atrativos para o seu e-commerce. Por isso lembre-se de incluir as informações na sua estratégia de marketing!

Do lado da empresa, a disponibilização imediata dos recursos permite uma melhora no fluxo de caixa, melhorando os processos de compra de mercadorias, pagamento de fornecedores e de salários.

E há ainda pelo menos mais uma vantagem: por ser um meio de pagamento criado e gerido pelo Banco Central, o PIX é seguro.

Tenho que pagar para utilizar o PIX?
O meio de pagamento é grátis para transações entre pessoas físicas, mas tem custo se for utilizado para pagar pela venda de produto ou serviço, ou se o usuário preferir o canal presencial ou o telefone para a transação.

Já as operações entre pessoas jurídicas serão tarifadas. Os valores, porém, variam de acordo com a instituição financeira. Por isso é importante pesquisar e buscar as melhores condições na hora de aderir ao PIX.

A concorrência entre bancos e fintechs para atrair clientes deve ajudar a manter as tarifas baixas. O Nubank, por exemplo, já anunciou que não cobrará nada das empresas que aderirem ao pagamento instantâneo.

O PIX também precisa de menos intermediários em suas operações, o que também tende a reduzir seus custos em relação a outras formas de pagamento.

Qual a vantagem em relação aos meios de pagamento já oferecidos pela minha empresa?
Hoje, os meios de pagamento mais utilizados pelo comércio eletrônico são as transferências bancárias, a emissão de boletos ou os cartões de crédito. O PIX apresenta vantagens em relação a todos eles.

Primeiro, a transação é concluída de forma mais rápida do que no caso de transferências, boletos e cartões. Isso é bom para a empresa, que recebe antes, mas também para o cliente.

Uma pesquisa encomendada pelo PayPal mostra que 77% dos consumidores reclamam da espera de dois dias úteis para a validação de um boleto, enquanto 72% não gostam da espera até a aprovação de um pagamento.

A agilidade também deve aumentar a efetivação das vendas, no caso dos boletos. De acordo com uma pesquisa da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, estima-se que até 50% dos boletos emitidos não são pagos.

Como as transações com o PIX são instantâneas, as chances de o consumidor desistir da compra são bem menores.

E, como falamos anteriormente, as tarifas cobradas em cima das transações feitas com o PIX devem ser mais baixas que aquelas que incidem sobre as operações com cartão.

Quais as desvantagens de utilizar o PIX?
O principal risco envolvendo o uso do novo sistema é a taxa de adesão dos usuários. Para que o empresário se beneficie de tudo que mencionamos até aqui, é preciso que os consumidores de fato optem por utilizar o PIX em seus pagamentos.

No levantamento feito pelo Opinion Box para o PayPal, 72% dos entrevistados se disseram propensos a usar a funcionalidade no dia a dia. Apesar disso, só 32% disseram ter a intenção de substituir DOC, TED e boleto bancário pelo PIX.

“A pesquisa demonstra que há uma longa jornada pela frente no que diz respeito à conquista desse cliente/correntista, que ainda não tem todas as informações à disposição para se decidir pelo uso ou não dessas novas funcionalidades”, diz Carlos Nomura, Head de Pagamentos do PayPal Latam.

Como aderir?
Qualquer pessoa física ou jurídica que tenha uma conta corrente, conta-poupança ou conta de pagamento pré-paga pode aderir ao sistema do Banco Central. Ao todo, cerca de 700 instituições financeiras pediram autorização ao BC para operar o PIX. Depois, será preciso fazer a integração do software à sua loja virtual.

Lembre-se de pesquisar qual banco ou fintech oferece as melhores condições para o perfil da sua empresa, garantindo o acesso aos maiores benefícios da ferramenta!

Gostou deste conteúdo? Se inscreva na nossa newsletter para receber mais dicas e novidades!

Mais posts para você

×

Fale conosco

×