Mídia orgânica ou paga? Na hora de escolher, siga estes passos

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um dos fatores que tornam o marketing digital tão revolucionário para as empresas de pequeno e médio porte é o fato de ser possível obter resultados relevantes sem grandes investimentos. Para que surtam o efeito desejado, contudo, essas ações precisam de planejamento e aplicação coordenada.

Uma estratégia bem desenhada vai envolver a obtenção de resultados orgânicos e um plano de aplicação de recursos em mídias pagas – que podem ser anúncios ou impulsionamento de publicações em redes sociais, por exemplo. Em ambos os casos, é preciso ter em mente quem é o seu público, qual é o seu diferencial e quais os fatores internos e externos que podem prejudicá-lo.

Para isso, uma boa indicação é fazer uma análise SWOT do seu negócio. O modelo é um clássico do marketing e continua sendo extremamente útil. Trata-se de um acrônimo, em inglês, para Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças. Por isso, no Brasil também é chamado de análise FOFA.

O modelo abaixo mostra como organizar essa avaliação:

 

Em forças, você pode encaixar tudo o que conta a seu favor na hora de usar as ferramentas digitais para vender seus produtos ou serviços, como o amplo conhecimento técnico de seus profissionais sobre o seu mercado ou um número de seguidores já consolidado em suas redes.

Em fraquezas, podem estar o fato de que sua presença digital ainda é praticamente inexistente – você não tem um site, ou perfis em redes sociais, por exemplo – ou baixos níveis de interação com seus conteúdos.

Oportunidades e ameaças dizem respeito a fatores externos que podem afetar seu planejamento, a exemplo do aumento da procura pelo seu produto ou serviço em razão da pandemia ou do grande potencial de vendas para um determinado público ou faixa etária – do lado positivo – e de um concorrente com uma marca mais reconhecida que a sua – do lado negativo.

Tente listar ao menos quatro fatores em cada um dos lados. O esquema vai ajudar a definir onde e em quem focar suas ações de marketing, além do tipo de mídia em que você deve se concentrar para obter os melhores resultados.

Esse, aliás, é um recado importante: priorize suas ações. Um erro comum de quem não tem experiência na área de marketing digital é acreditar que é preciso estar em 100% das plataformas. A verdade é que, embora não exista receita fixa, uma combinação de uma ou duas redes sociais, com um site bem feito, por exemplo, já pode ser bastante eficiente.

Algumas ideias de como as informações reunidas podem ajudar no seu planejamento: ao entender qual o público que concentra suas maiores oportunidades, você pode direcionar seu investimento (e aqui não falamos apenas de recursos financeiros, mas também de tempo) para uma plataforma na qual você sabe que ele está.

Digamos que você está no ramo de camisetas para um público jovem. Provavelmente conseguirá maior visibilidade no Instagram do que no LinkedIn, considerando a natureza de cada uma dessas redes. Caso ofereça suporte de TI para corporações, é possível que a estratégia seja oposta: dar atenção primeiro ao LinkedIn, uma rede de perfil mais corporativo.

Se, por outro lado, você identificou que sua presença ainda é muito fraca nas redes sociais, pode ser interessante investir recursos em uma campanha de mídia para elevar o seu número de seguidores, ampliando o alcance de suas publicações.

Para ajudar você a mapear suas opções e desenvolver um planejamento certeiro, contamos a seguir as diferenças entre as ferramentas disponíveis para conseguir resultados orgânicos ou investir em mídia paga. Continue lendo!

 

Mídia orgânica: atuando no seu território

 

Se você já pesquisou minimamente sobre as possibilidades nesta área, é bem possível que tenha esbarrado no termo em inglês Inbound Marketing. O conceito é baseado na ideia de que, em vez de elaborar peças publicitárias ou textos de anúncio, as empresas podem atrair novos clientes ao produzir conteúdo que seja relevante para seus públicos de interesse.

Isso pode ser feito por meio de um blog em seu site, por exemplo, ou com posts nas redes sociais, sempre contando com a expertise de seus profissionais – afinal, este é o seu território.
A intenção principal aqui é fidelizar essa audiência – e obter contatos para criar uma conexão direta, elevando as chances de o interesse virar negócio fechado.

Esse tipo de atuação também é excelente para tornar-se uma referência no seu mercado. Há de se concordar que o consumidor vai se sentir mais confiante em comprar um produto ou serviço se tiver confiança em quem vende, certo?

Conforme o conteúdo for chamando a atenção das pessoas, o seu público cresce. Esse tipo de ganho orgânico é interessante e aumenta sua relevância no ambiente digital, mas é lento e, de alguma maneira, mais limitado.

 

Mídia paga: um anzol no oceano

 

Na hora de aumentar o engajamento e crescer mais rapidamente, suas atenções devem se voltar para o investimento de recursos. Se na mídia orgânica você atua em um ambiente que domina, a mídia paga equivale a lançar um anzol no oceano. O público potencial aumenta consideravelmente, e com o anzol correto e a isca apropriada, você pode ser muito bem-sucedido!

Um planejamento de mídia paga pode incluir impulsionamento de posts nas redes sociais, banners em sites, links patrocinados e dark posts (que só aparecem para um público específico, selecionado por você), entre outros.

Além de permitir investimentos de qualquer magnitude, essa modalidade de marketing digital tem duas vantagens importantes. A primeira é a segmentação de público feita por essas plataformas, que pode ajudar você a atingir exatamente quem se interessa pelo seu produto ou serviço. A segunda é a fácil mensuração de resultados, já que essas ferramentas permitem um acompanhamento em tempo real das suas campanhas.

Como você pode ver, as possibilidades para aumentar sua presença digital são inúmeras! E contar com uma boa assessoria, feita por profissionais com foco exclusivo em marketing, é essencial para entender melhor as ferramentas disponíveis e não dar um passo maior do que a perna.

A Jahe pode ajudar a traçar a melhor estratégia para promover a sua empresa. Fale com a gente!

 

E se gostou desse conteúdo, compartilhe-o com os seus contatos e se inscreva na nossa newsletter para receber mais dicas e novidades!

 

Mais posts para você

×