Lives, webinars e outras apresentações online – como atualizar a estratégia na retomada dos eventos presenciais?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Num momento em que todos se concentram na volta dos eventos presenciais e na retomada das atividades, pode parecer um contrassenso falar em realizar transmissões online, não é mesmo? A verdade, contudo, é que esse formato de comunicação, chamado em inglês de streaming, já existia bem antes da pandemia. E, mais do que isso, vai se manter em destaque depois dela.

Claro, pode ser que desapareçam os shows com artistas famosos transmitidos pela internet, mas não há dúvidas de que, como opção de marketing e comunicação com uma audiência, as transmissões ao vivo podem funcionar muito bem.

Elas servem para reforçar sua presença em nichos específicos, estabelecer o seu nome ou sua marca como autoridade em algum assunto, e conectar pessoas, facilitando o networking (uma outra palavra para o exercício de cultivar sua rede de contatos). De quebra, encurtam distâncias ao permitir que pessoas em estados ou países diferentes conversem de maneira muito mais prática – e podem ser usadas como complemento aos eventos presenciais.

Por isso, webinars, debates, aulas, reuniões e transmissões de jogos e até gravações ao vivo de podcasts se tornaram itens básicos da produção de conteúdo.

Nesse período de transição da pandemia e daqui em diante, porém, uma coisa importante vai mudar: se antes o espírito do “faça você mesmo” podia dominar esses eventos digitais, já que quase todos estavam em uma curva de aprendizado sobre o tema, agora a coisa precisa ficar mais profissional. E sairão na frente marcas e criados que souberem lançar mão dos recursos disponíveis para dar autenticidade e um visual mais atraente às suas publicações.

Assim, reunimos aqui dicas para aumentar a sua audiência em transmissões online e melhorar o visual e estrutura para suas lives, não importa a plataforma (YouTube, Facebook, Instagram, Twitch, e por aí vai). Siga com a gente!

1 – Inclua a divulgação no planejamento da sua equipe
Jogo de cintura para improvisar é um talento desejável, mas é importante que você siga um planejamento e divulgue as datas das suas transmissões com antecedência em todos os canais de comunicação da sua marca.

Nas suas primeiras lives, procure escolher temas que reconhecidamente atraem a sua audiência – analisando, por exemplo, os posts mais curtidos nas redes sociais ou os produtos mais vendidos pela sua empresa. Isso vai garantir uma audiência cativa enquanto você estrutura a estratégia de transmissões no médio e longo prazo para atrair quem ainda não conhece o seu negócio.

Outra maneira de obter mais visualizações é ligar sua apresentação a alguma hashtag ou tema que tenha obtido atenção no Twitter, uma rede social bastante ligada ao factual e às discussões mais quentes.

2 – Com o cronograma em mãos, prepare um roteiro
Um roteiro de apresentação não precisa ser algo complexo nem seguir modelos pré-definidos. É possível que algumas anotações em um bloco de notas, com perguntas ou tópicos que não podem faltar, já bastem para você não ser pego de surpresa – ou pior, sem palavras. Mas atenção! Evite também o contrário, agir somente de acordo com o pré-definido. Apresentações “travadas” tendem a desestimular a audiência.

3 – Tenha certeza de que sua conexão é estável e rápida
Chegada a hora de começar a apresentação, o pior que pode acontecer é o óbvio: a ausência de transmissão, uma imagem congelada ou um áudio travando a toda hora. Antes da live, faça quantos testes forem possíveis, e tenha um plano B caso a sua conexão falhe. Dê preferência a computadores conectados à internet por meio de cabo, ou dispositivos móveis próximos ao roteador de wi-fi.

4 – A primeira palavra em “Luz, Câmera, Ação” é Luz!
Parece óbvio apontar isso, mas vídeos e transmissões com má iluminação passam uma imagem pouco profissional. Não se trata somente de uma questão técnica – se você estiver representando uma marca ou seus serviços “no escuro”, sua audiência pode entender isso como desleixo ou despreparo.

Hoje em dia, funções nos próprios computadores e celulares ajudam a disfarçar esse problema, mas nada supera uma boa iluminação natural. Se estiver longe de janelas, ou se já estiver escuro lá fora, vale a pena usar as ring lights, luminárias de LED em formato de anel, criadas especificamente para participar de vídeos online, ou gravações do seu próprio rosto.

As luminárias estilo sunset também simulam uma iluminação natural de pôr-do-sol. Na dúvida, prefira luzes amareladas, e evite as lâmpadas brancas.

5. Escolha a plataforma com atenção
Como em tantos outros aspectos da produção de conteúdo, existem múltiplas opções na hora de eleger a plataforma ideal para a sua transmissão. Elas podem oferecer recursos excelentes para você trabalhar sua mensagem, sua marca e seu networking. Abaixo, exploramos algumas delas.

YouTube – O mais popular portal de vídeos na internet também permite que você transmita ao vivo. Games, palestras e apresentações musicais são alguns tipos de conteúdo que se encaixam perfeitamente no funcionamento do site. Essa alternativa vale principalmente para quem já trabalha com um canal de vídeos. É possível utilizar outros programas para produção e transmissão, mas o YouTube Studio, que funciona dentro do site, também dá conta do recado.

Twitch Já falamos aqui sobre como a rede tem se popularizado para além do conteúdo para gamers e e-sports. Essa também é uma alternativa para a transmissão de vídeos ao vivo, ou conversas interativas que podem receber mensagens do público online. A categoria “Só na Conversa”, aliás, que reúne streamers (apelido daqueles que fazem as apresentações ao vivo) continua agitada: segundo o medidor TwitchTracker, em outubro de 2021 era o segundo tipo de conteúdo mais consumido, à frente de qualquer tipo de game, menos um: o competitivo League of Legends, ou “LoL”, para os mais íntimos.

Instagram – Impossível pensar em transmissões ao vivo pela internet sem comentar as lives feitas na rede social. Para quem procura agilidade e facilidade para começar a falar com um público, a alternativa é praticamente imbatível. O fato de que sua transmissão vai aparecer não apenas na barra de stories dos seus seguidores, mas também como notificação, pode valer a pena se você contar com uma audiência que adora interagir. Pense também em como seu(s) convidado(s) trabalham com essa rede, e construa um calendário sólido com influenciadores, se este for o perfil do seu negócio!

O Facebook também oferece elementos semelhantes para quem prefere interagir nessa plataforma. Para descobrir onde seu público se encaixa melhor, vale a pena ler nosso artigo sobre a importância dos dados para tomar decisões online.

O Zoom não pode ficar de fora da lista, já que é uma boa opção para transmissões pagas (como cursos onlines) e para aulas ou reuniões de acesso livre. Além de transmitir o conteúdo para redes sociais, aceita até 300 participantes na plateia e, com a instalação de extensões, permite até 1.000 pessoas na mesma sala. Um verdadeiro auditório.

6. Um passinho a mais
Para quem já deu alguns alguns passos no mundo das transmissões online e quer deixar suas apresentações com um aspecto mais sofisticado, ferramentas como o Streamlabs fornecem recursos como alertas, contribuições pagas, patrocínio, sobreposições de camadas de imagem (por exemplo, uma identidade visual e duas telas simultâneas), que podem chamar atenção e conquistar audiência. O Streamlabs é gratuito, mas requer um computador com configurações acima das básicas para funcionar.

Outra opção é o StreamYard. Uma das suas vantagens é o fato de que ele funciona como serviço – isso significa que exige menos potência dos computadores que você possa ter em casa ou em uma empresa que não é especializada na produção de vídeos.

O plano básico custa US$20 (R$110) mensais. A plataforma permite que os anfitriões gerenciem vários participantes, reproduzam vídeos pré-gravados e comentários ao vivo. Praticamente como um estúdio de TV.

Com todas essas alternativas em mente, vale a pena comentar que a melhor maneira de criar conteúdos em vídeo de qualidade para sua marca é trabalhando com profissionais especializados nesse tipo de ação.

Um bom plano de marketing pode ajudar a estabelecer metas e estratégias, e escolher os melhores temas para cada audiência. Já equipes ou profissionais voltados ao audiovisual podem ajudar sua companhia a produzir bons vídeos e transmissões, evitando imprevistos e até mesmo perda de credibilidade.

Se seu negócio não tem expertise ou equipes nessas áreas, terceirizar funções pode representar economia de recursos e tempos. A Jahe Marketing pode ajudar!

Cadastre-se em nossa newsletter para aprender mais sobre marketing, comunicação e como navegar no oceano digital!

Mais posts para você

×

Fale conosco

×