Games, água na caixa e diversidade nas redes: as novidades que podem inspirar sua marca em 2021

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

A pandemia do novo coronavírus se prolongou para além do que muitos esperavam e, neste início de 2021, pode parecer que nunca saímos de 2020: ela continua sendo o assunto mais debatido pelas empresas no Brasil e ao redor do mundo. Isso não quer dizer, contudo, que elas estejam paradas no tempo.

Muitos negócios, grandes ou pequenos, vêm desenvolvendo inovações em seus serviços e produtos em meio à crise sanitária. Essas novidades servem como exemplos de criação de valor para as marcas e podem ser inspiração para outras empresas.

Neste mês, por exemplo, tivemos a ascensão meteórica do Clubhouse, uma rede social em que os usuários produzem apenas conteúdo em áudio (e ao vivo!). O aplicativo chegou aos 6 milhões de usuários em fevereiro – e as buscas por ele no Google cresceram 525%! Falamos dele aqui, em um texto cheio de dicas de como usar a plataforma da vez a favor da sua marca.

Mas nem só de Clubhouse vive o mundo do marketing, e reunimos aqui outras ações bem interessantes, que foram destaque de visibilidade e audiência nas últimas semanas.

Alerta de spoiler: além da preocupação crescente com temas relevantes (como diversidade e meio ambiente), uma nova tendência está clara: a chamada gamificação. Quer saber mais sobre o que pode servir de inspiração para o seu negócio? Continue lendo!

 

O marketing nos games

O jogo Fortnite é um fenômeno de marketing há alguns anos. Com cerca de 350 milhões de usuários ao redor do mundo, ele se popularizou em razão de uma estratégia bem desenhada, baseada em dois pilares: a gratuidade e a facilidade de acesso. Além de não precisar pagar nada para jogar, é possível acessar o game via celular, computador ou console.

A receita da Epic Games, desenvolvedora do jogo, fica por conta dos extras que os jogadores podem comprar dentro do jogo – que renderam, de acordo com estimativas, US$ 1,2 bilhão só na App Store, da Apple, desde o lançamento das opções pagas, em março de 2018.

O Fortnite é um jogo de combate, baseado em três pilares: sobreviver, explorar o mapa e coletar recursos e equipamentos. Ele teve seu crescimento impulsionado também por jogadores famosos – como o rapper canadense Drake e diversos atletas – e pelo engajamento de seus usuários, que gravam cenas do jogo e divulgam em suas redes sociais.

Ao longo do tempo, a Epic Games criou novas formas de produzir conteúdo dentro do jogo, atraindo novos jogadores. Um exemplo é o show virtual do rapper americano Travis Scott, realizado na Festa Royale (Party Royale), um espaço para experiências no Fortnite, que atraiu nada menos que 12,3 milhões de jogadores simultâneos, em abril de 2020.

Neste mês, o título deu mais um passo como plataforma de distribuição de outros conteúdos: um festival de curtas-metragens animados. Com duração de 24 horas, o Festival de Cinema Curta Nite aconteceu globalmente no último fim de semana.

A série de obras (algumas indicadas ao Oscar), de cerca de 30 minutos, era repetida sem parar em espaços diversos do jogo. Os participantes podiam entrar sozinhos no evento ou chamar amigos para acompanharem a programação.

 

Os games no marketing

E, se o Fortnite está levando outros conteúdos para dentro do jogo, outras marcas vêm fazendo o movimento inverso, atraídas pelas possibilidades do mundo virtual. O Boticário, por exemplo, lançou sua loja no game de realidade virtual Avakin Life.

Até o dia 22 de março, os jogadores podem resgatar as recompensas por meio de pontos (BotiCoins), além de adquirir itens do portfólio da marca, como perfumes, maquiagens, produtos para cabelo, entre outros. A loja também conta com uma consultora virtual, Thaty, responsável por explicar as ativações no jogo.

Entre as ações, estão o Beauty Quest, em que os participantes são convidados a cumprirem uma série de desafios sobre o universo da beleza (e que valem BotiCoins) e uma Pool Party, festa na piscina personalizada aberta a todos os usuários do jogo.

“O universo dos games é o retrato de uma nova geração cada vez mais conectada e engajada. Estar presente no ambiente virtual, de forma relevante e aderente ao jogo, é uma excelente forma de estreitar nossa conexão com os consumidores”, diz Celio Guida, head de mídia do Grupo Boticário sobre a iniciativa.

O McDonald’s também deu, neste mês, mais um passo em sua estratégia de atrair os interessados em games. Uma réplica do Méqui 1000, a loja conceito da rede localizada na Av. Paulista, em São Paulo, estará dentro do novo mapa do game Minecraft – uma espécie de jogo aberto no qual praticamente qualquer coisa pode ser construída com bloquinhos.

Por meio de um QR code dentro do jogo, o usuário chega ao McDelivery para fazer seu pedido na vida real. A loja foi apresentada por dois influenciadores conhecidos dos jogadores, que fizeram um tour virtual do restaurante no Youtube e no Twitch.

O restaurante também aparecerá no The Sims 4, criado para um episódio da websérie “Girls in the House”, que usa personagens e cenários do jogo. A rede de lanchonetes também já realizou ações em outros games, como Pokémon Go e Super Mario.

“Sabemos do potencial que o Méqui tem para participar de conversas relacionadas ao universo geek e à cultura pop. Por isso, estamos aproveitando essa plataforma para conversar com um público de grande relevância para nós e ainda garantir muita conveniência com o primeiro restaurante funcional desse universo”, conta João Branco, CMO do McDonald’s Brasil.

 

Diversidade #on

De olho em ampliar o debate sobre diversidade, tema abraçado em seu posicionamento de marca já há algum tempo, a marca de cosméticos Avon lançou o programa #ConversaTáOn. Ele vai promover diálogos e debates mais aprofundados sobre assuntos que estão em destaque nas redes sociais: a exemplo do antirracismo e da cultura do cancelamento.

A primeira transmissão aconteceu no domingo (14/2), com o ator e produtor Lucas Penteado, participante do Big Brother Brasil 21, e a apresentadora Astrid Fontenelle, com transmissão pelo Twitter da marca (@AvonBR).

O programa será semanal, e a marca quer manter as discussões acontecendo de maneira permanente, divulgando as programações nos canais da Avon e em QR codes durante comerciais veiculados na TV. Além das lives, pílulas de conteúdo serão disponibilizadas nos perfis da companhia nas redes sociais – em que os usuários também poderão votar nos temas a serem debatidos.

 

De olho na revolução alimentar

É natural que o mercado de snacks e doces esteja ligado nas tendências de consumo de alimentos ao redor do mundo, como a sustentabilidade da produção e a adoção crescente de dietas vegetarianas e veganas.

Agora, a Nestlé decidiu realizar o sonho de muitos de seus consumidores que optaram por deixar de consumir produtos de origem animal: a produção de uma versão vegana do amado chocolate KitKat.

Anunciado neste mês, o KitKat V deve chegar às lojas no final do ano, em diversos países, mas ainda com distribuição restrita às lojas KitKat Chocolatory e alguns varejistas selecionados.

“Há uma revolução alimentar silenciosa em andamento que está mudando a forma como as pessoas comem. Queremos estar na vanguarda disso, defendendo a descoberta de alimentos e bebidas à base de plantas”, disse Alexander von Maillot, chefe de confeitaria da Nestlé, sobre a novidade.

Para os brasileiros ansiosos, uma boa notícia: a Chocolatory existe no país e, portanto, os consumidores poderão experimentar o KitKat V – basta esperar mais alguns meses.

 

Sustentabilidade na caixa

É quase automático. Quando pensamos em comprar água mineral, a primeira imagem que vem à mente é a da garrafinha de plástico. Mas uma startup brasileira quer mudar essa concepção, oferecendo o produto ao mercado em caixas feitas de papelão. Esse tipo de embalagem já é utilizado em outros países, e a ideia chegou ao Brasil com o apelo da sustentabilidade.

A Água na Caixa levou dois anos para sair do papel, e sua embalagem é 100% reciclável, com 82% de matéria-prima renovável: os ingredientes da caixinha são papel, plástico de cana-de-açúcar e alumínio.

A marca também incentiva a reutilização, e para facilitar, a caixa tem um bocal mais largo, para que você possa enchê-la mais facilmente. Os clientes ainda podem personalizar a caixinha com seus nomes.

 

Gostou deste conteúdo? Compartilhe-o com os seus contatos e se inscreva na nossa newsletter para receber mais dicas e novidades!

Mais posts para você

×

Fale conosco

×