As lives estão voltando – como atrair atenção para a sua marca utilizando transmissões ao vivo?

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Um dos fenômenos decorrentes da grande transformação pela qual passamos ao longo de 2020 foi, sem dúvida, a onda de lives – apresentações ao vivo transmitidas pela internet, por meio de redes sociais como Instagram e Facebook, e pelo YouTube.

Com as restrições impostas pela pandemia do novo coronavírus, essa foi a maneira encontrada por muitos negócios para manter a conexão com seus públicos e atrair novos potenciais consumidores. Surgiu, então, uma infinidade de transmissões, entre shows patrocinados, seminários, debates, entrevistas e sessões de exercícios físicos – opções para todos os gostos.

E, buscando ideias do que fazer para se distrair e continuar suas atividades de casa, o público brasileiro reagiu bem. No caso das lives musicais, por exemplo, o mercado nacional foi responsável por oito das apresentações virtuais mais assistidas no ano passado.

O primeiro lugar foi da cantora Marília Mendonça, que teve 3,31 milhões de visualizações simultâneas em uma apresentação no dia 8 de abril – seguida pela dupla brasileira Jorge e Mateus (3,24 milhões) e pelo tenor italiano Andrea Bocelli (2,86 milhões de visualizações), ambos com shows realizados no mesmo mês do ano passado.

Meses depois do início das restrições relacionadas à Covid-19, no entanto, veio o temido cansaço: em julho de 2020, o interesse pelas lives havia caído 70%, de acordo com dados de busca do Google.

Esse movimento de saturação de determinadas tendências é comum e, no caso das apresentações ao vivo, foi fortalecido ainda por uma ressaca dos consumidores após mais de cem dias em isolamento social.

Mas ele também costuma ser cíclico: o excesso de oferta mina a atenção do público, que decide dar um tempo e, com o passar dos meses, pode voltar a se interessar pelo tema.

E, agora, as lives voltaram a ganhar adesão! Segundo o Google Trends, a curva de interesse voltou a subir ligeiramente em fevereiro de 2021, favorecida por um prolongamento além do esperado da pandemia. Com a previsão de que os eventos ao vivo – sejam eles apresentações musicais, feiras e outras atividades – não voltarão tão cedo ao calendário, marcas e artistas parecem estar se readaptando ao formato. E o público, também.

Por isso, mesmo que os números de engajamento estejam abaixo do pico do ano passado, essas transmissões continuam sendo uma ótima maneira de atrair sua audiência e falar com potenciais consumidores – e vieram para ficar.

Se você pretende investir nesse formato, ou busca melhorar o desempenho de suas lives, a gente pode ajudar! Confira a seguir dicas de como usar as lives a favor da sua marca.

 

Potencial futuro

De maneira geral, é importante ter em mente que a internet é uma ótima maneira de potencializar seu alcance, e fazer as comparações certas. Um exemplo: neste mês, uma apresentação virtual dos cantores Gusttavo Lima e Leonardo, organizada pela marca de bebidas Cabaré, registrou 1,5 milhão de acessos.

O número ficou abaixo das maiores audiências de 2020, mas ainda está bem acima dos recordes de público em espaços físicos dos artistas, em torno de 100 mil espectadores. Isso significa que, mesmo que haja queda no interesse pelas lives ao longo do tempo, o potencial de audiência continua sendo enorme.

Esse racional não serve apenas para shows. Imagine quantas pessoas caberiam em um auditório para a realização de um debate – e no trabalho que todos teriam para chegar até lá. Agora, pense na facilidade de ter uma sala online, com capacidade infinita e na qual as pessoas possam entrar sem ter de sair de casa. Parece ótimo, não é?

É por isso que não é chute dizer que o segmento de transmissões continuará atraindo audiência no futuro próximo, independentemente do porte da live. Para a consultoria Grand View Research esse é um mercado que pode movimentar até US$ 184 bilhões (R$ 1,05 trilhão) até 2027. Para se ter uma ideia de escala, a indústria de games faturou US$ 159,3 bilhões em 2020 e o cinema, antes da pandemia, em 2019, algo em torno de US$ 40 bilhões.

 

Mil e uma maneiras

Já deixamos claro, então, que não estamos falando apenas de apresentações de artistas ou grandes influenciadores. Números da plataforma de streaming Twitch, tradicionalmente utilizada para transmissões de games, mostram que a categoria “apenas conversando” dentro do site, voltada para bate-papos despretensiosos ou tema livre, cresceu 138% no mercado norte-americano em 2020.

No Brasil, apresentadores de podcasts e Youtubers vêm usando a plataforma para gravar episódios “ao vivo”, interagindo com a audiência, ou apresentando conteúdos no formato de aula, por exemplo.

As possibilidades de formato para essas transmissões, portanto, são inúmeras. Para inspirar, e ir além do tradicional patrocínio de apresentações de artistas, listamos abaixo algumas ideias:

Reputação de especialista – Ninguém melhor para falar do seu negócio do que você mesmo, certo? Aproveite todo o seu conhecimento e realize uma transmissão sobre um tema relevante para o setor em que atua, que possa atrair potenciais clientes, parceiros e até, por que não, concorrentes. Você pode falar sobre uma mudança na legislação, uma nova tecnologia ou mostrar as diversas maneiras de utilizar um produto, entre outras ideias.

Bastidores de criação – Se você tem uma marca de roupas ou acessórios, pode realizar uma transmissão que conte mais sobre o processo de desenvolvimento e criação de determinado item ou coleção. Junte os experts de sua empresa e crie valor para os seus produtos ao desenvolver uma conexão dos consumidores com os seus processos e colaboradores.

Entrevista com especialista ou influenciador – Outro jeito de atrair audiência é convidar entrevistados para falar sobre assuntos diversos, que possam ter relação direta ou indireta com a sua marca.

Se você fabrica móveis, por exemplo, pode entrevistar um design de interiores que fale sobre uma tendência de decoração que seus clientes de que seus clientes não podem ficar de fora.

Ou, se a companhia prega a diversidade no ambiente de trabalho, pode realizar uma conversa a respeito do tema, com nomes relevantes – estabelecendo também uma conexão dos consumidores com os valores da sua empresa.

Um exemplo disso é o programa #ConversaTáOn, lançado pela marca de cosméticos Avon, que promove diálogos e debates mais aprofundados sobre assuntos que estão em destaque nas redes sociais: como o antirracismo e a cultura do cancelamento.

Eventos beneficentes – Além de mostrar que está conectado ao que acontece com o mundo à sua volta, ajudar quem precisa em um momento como este também é uma maneira de transmitir seus valores ao público.

Organize um evento com transmissão online que reverta parte das vendas geradas por ele para uma instituição ou causa que você apoie – e convide sua audiência e parceiros a se engajarem com você.

Em 2020, o rapper Emicida fez um show de oito horas no Dia das Mães, com uma ação beneficente que arrecadou R$ 800 mil para a iniciativa Mães da Favela. A live foi patrocinada por marcas de peso, como o PicPay, e a Budweiser.

Live commerce – Se os consumidores não podem ir até você, leve eles para dentro da sua loja (virtual ou física). Essa é a premissa da novidade que vem ganhando força em outros países. O formato utiliza a transmissão ao vivo para apresentar um produto ou coleção, em tempo real, despertando o interesse dos consumidores sobre eles.

Um exemplo de companhia que usou o método foi a Americanas. Ao longo do ano passado, a marca realizou uma série de lives com influenciadores para falar de produtos comercializados por ela.

 

A chave é o planejamento

Seja patrocinando uma apresentação, mediando um debate, ou mostrando um produto, quem procura investir nas transmissões precisa traçar um bom plano de marketing, e entender como seu negócio dialoga com a ação planejada.

Antes de iniciar suas lives, faça um levantamento dos temas que têm sido destaque na internet, e certifique-se de que os participantes estão atualizados sobre o assunto.

Escolha a plataforma de transmissão que mais combina com a sua audiência e lembre-se também de que nichos específicos e mercados especializados podem ser conquistados com conteúdos que agregam conhecimento.

E, se precisar de ajuda, tenha em mente que há no mercado profissionais especializados em construir um planejamento estratégico feito sob medida para o seu negócio. Fale com a Jahe Marketing para saber mais!

 

E se gostou deste artigo, compartilhe-o com os seus contatos e se inscreva na nossa newsletter para receber mais dicas e novidades!

 

 

Mais posts para você

×

Fale conosco

×